Um dia de folga do mundo – caminhada

***link para o vídeo no final deste post ***

Um dia glorioso, partida se deu cedo pela manhã. Após a auto-decretação do dia como um feriado particular. O destino, a cidade de Nova Petrópolis, na subida da serra do estado do Rio Grande do Sul.

Cheguei sem problemas, após percurso de carro, de pouco menos de 100km.

Me preparei para a trilha dentro do carro. Foi inusitado.

udfdm05
Rio Santa Izabel, um convite para uma aventura.

Iniciei a caminhada em frente a rua coberta, onde ficou estacionado o veículo. O trajeto até a trilha é curto, menos de 1km. É curioso, caminhando em uma via urbana, uma pequena entrada, que em nada indica o início de uma trilha fantástica.

udfdm01a
Iniciando a caminhada em Nova Petrópolis (RS)

O primeiro trecho de “mato” não oferece muita dificuldade, embora existam trechos de vegetação fechada, que o “facão-zinho” que me acompanhou, ajudou abrindo caminho.

udfdm02
Mata “fechada”. Diversos trecho de difícil acesso.

Vencido esta etapa de trilha, um trecho de estrada de chão, até a represa do Rio Santa Izabel. Vale a caminhada até a represa.

Aqui o perigo realmente aumenta. Vale lembrar que eu tracei uma rota a ser seguida durante todo este percurso. Não tente fazer esta trilha sem noções de orientação, mapas da região ou GPS. Observe, existem trechos nesta trilha extremamente perigosos, com evidente risco de morte.

Na beira desta estrada avancei em floresta fechada. Não existe trilha a ser seguida. Utilizei o GPS para orientação. Embora o GPS apresentasse distorções no posicionamento, em decorrência da densidade da vegetação, que causava a perda de sinal.

Tive de abrir caminho à faca. Em busca do rio. O terreno é muito íngreme, solo molhado / “solto”. Pedras rolam ladeira abaixo, quando se tenta pisar nelas, inclusive algumas rolam após passar por elas, as pedras vêm em direção das pernas. E não são pedras pequenas. Em certos trechos, é preciso rastejar, buscando ancoragem em raízes. Muitas vezes, estas raízes se soltam do solo, quando estas recebem o peso do corpo, quando se tenta as utilizar como apoio.

udfdm07
Marcas dos espinhos na panturrilha.

Cheguei no rio, porém havia uma cachoeira de uns 10 metros para descer. Como eu não estava com o equipamento de rapel, tive de voltar para o mato para contornar a cachoeira caminhando. Foi uma escalada cansativa.

udfdm04
Paredões são a moldura do rio

 

udfdm03

Após contornar a cachoeira grande, iniciei o canyonig. Uma caminhada de poucos quilômetros, sobre o leito do rio Santa Izabel. O lugar é fantástico. Paredões de vegetação e pedras. Absolutamente lindo e tranquilo. O barulho da água corrente, pássaros. Inexplicável.

Deixando a beleza de lado, caminhar era preciso. Todo cuidado é pouco ao caminhar em um rio cujo leito é de pedras obviamente molhadas. Recomendo a utilização de capacete para percorrer este trecho. Outro item que recomento utilizar é um bastão / cajado, para ter mais um apoio e fazer a batimetria do fundo, para conhecer a profundidade do próximo passo.

Na emoção do momento, esqueci de proteger o GPS, que estava preso na alça da mochila. Na descida de uma pequena corredeira, achei um buraco de pouco mais de 1 metro de profundidade. Cai nele. O GPS submergiu rapidamente. A estanqueidade não resistiu. Ele veio a falecer imediatamente.

udfdm08
Desmontei o GPS após a trilha.

O rio tem uma profundidade pequena, na média é 30 centímetros, com variações. Acredito que em épocas de chuvas, ou quando abrem a represa, a profundidade fica bem maior. Este é outro perigo, como saber quando o nível do rio vai subir?

Segui caminhado no leito do rio sem a orientação do GPS. Prossegui com a informação que havia na minha memória.

Seguindo um momento contemplativo, encontrei uma cachoeira em um afluente do rio. Outro belo presente que recebi.

udfdm06

Tudo transcorreu sem maiores problemas. Encontrei a saída. Em seguida encontrei algumas poucas pessoas que me indicaram o caminho para retornar para Nova Petrópolis. Uma caminhada subindo a serra. Cansativa.

Enfim foi muito positivo.

Último aviso. Ao percorrer qualquer trilha, você o faz por conta e risco! Atenção com suas escolhas. Atenção!

 

 

RESUMO

26,73 Km Caminhando

6h59 Caminhando

1495 Calorias queimadas

Dificuldade: Muito Difícil

Elevado risco de Morte

Abaixo o link para o vídeo, versão reduzida com 15min de duração

 

Observem também o tipo de calçado que você vai utilizar. Eu usei um tênis de corrida comum. Que obviamente não aguentou a “pressão”. Vou procurar algum calçadista que possa oferecer melhores calçados, mais apropriados para terrenos inóspitos.

udfdm10

udfdm11

 

Juliano Bonotto

Advertisements

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s