Duro na Queda – Rapel na Pedreira

O destino já é conhecido de longa data. A Pedreira de Porto Alegre. No final deste post vou colocar o link de uma incursão passada na pedreira. Retornei para esta trilha com intuito de adicionar um novo elemento, um temperinho extra. Um rapel na pedreira menor.

dnq01

O dia começou cedo, pouco depois das 6h da manhã eu já estava pedalando pelas vias do bairro Vila Nova. Pouco antes de ingressar na Estrada das Furnas, um grupo de cães “sem dono” resolveu me perseguir, me cercar, tentando me abocanhar a todo custo. Nunca Havia passado por uma perseguição canina tão longa. Para piorar o cenário, eu estava subindo uma ladeira, com mais de 10kg de equipamento nas costas, sendo atacado. Que momento.

dnq02
Um novo dia

Vencia a subida da Estrada de Furnas sem demora. O dia raiou durante esta escalada.

Sem demora ingressei na trilha para a pedreira. O caminho é conhecido, não sendo necessário o uso do GPS, mas como é meu costume, eu o levo junto, para coletar as informações do percurso.

dnq04
Pedreira maior, cedo pela manhã

A trilha para a pedreira tem lá suas peculiaridades. Existe um trecho em aclive, com o terreno extremamente acidentado. Impossível pedalar. Aqui a bicicleta é que é carregada. Porém de maneira geral é uma trilha que pode ser percorrida em quase sua totalidade pedalando.

Quanto mais próximo da pedreira, mais eu permito que o meu pensamento, minha atenção navegue para os preparativos do rapel. O que foi um tremendo erro. Se você esta pedalando em uma trilha, por mais conhecida que seja, em velocidade, concentre-se na trilha. Esta perda de foco me custou uma queda. Aterrissei de testa no solo. Devo acrescentar que foi bastante dolorosa, e com grandes possibilidades de um dano físico considerável. O meu capacete rachou. Se eu estivesse sem o mesmo, não gosto de imaginar o estado que minha testa estaria agora. O impacto foi tão forte, que passados dois dias do acidente, sigo com mobilidade limitada no pescoço. A dor é minha nova companheira.

dnq03
Literalmente rachei a cabeça na queda

Passado o susto. Levantei. Computei as baixas. Uma perna com diversos arranhões e pequenos cortes. Hematoma na testa. Trauma no pescoço, na base do crânio. Equipamentos, freio dianteiro desconectado, câmbio traseiro funcional, porém a alavanca perdeu a mola que a faz retornar para posição original após o acionamento. O GPS descobri depois que a porta USB parou de funcionar. E obviamente o capacete quebrado.

Quem acredita em “sinais” do além, premonições, “avisos” do destino, provavelmente após esta queda, abandonaria a trilha sem realizar o rapel. Eu não. Obviamente diminui o ritmo do pedal, mas segui com meu planejamento.

Cheguei a pedreira menor e como planejado antes da minha queda, escolhi como ponto de ancoragem a pedra pintada, que fica próximo ao paredão da pedreira.

DNQXX
Foto satélite, cortesia do Google. Não resisti e publiquei foto que não é de minha autoria, a imagem é bonita e traz boas memórias.
dnq05
Bicicleta ficou acorrentada e escondida no mato

Neste ponto eu fui bastante criterioso e demorado. Estando eu sozinho, nenhum erro seria tolerado. Fiz o nó de ancoragem com toda paciência. Revisei o mesmo. Testei a corda e o nó. Coloquei muita tensão na mesma antes de realizar a primeira descida. Protegi os pontos em que a corda iria “roçar” em pedras, envolvendo a mesma com câmaras de bicicleta. Para evitar cortes e potencial rompimento da mesma.

dnq06
Nó que vale uma vida. A minha vida!

Uma vez certificado a corda e o equipamento… Lagartixa vai para parede. Auferi via GPS, a parede escolhida tinha em torno de 23 metros de altura. Era possível após a descida, retornar facilmente caminhando para o topo da corda, utilizando uma pequena trilha.

dnq07
Paredão de 23 metros

A experiência foi muito positiva. Estar sozinho realizando tal atividade, sem dúvida colocou um elemento extra de perigo, além de forçar um cuidado extra, especialmente após o ocorrido, a queda. Observe que não é uma prática recomendada realizar este tipo de atividade sozinho, ou sem supervisão de pessoal qualificado para lhe orientar no preparo do rapel.

Após as diversas descidas, recolhi o material, e rumei para a saída mais próxima, via Morro da Cruz. Desci o morro em velocidade, alcançando a Av. Bento Gonçalves. Desta pedalei vigorosamente em direção à zona sul. Retornando assim para o conforto e segurança de uma vida civilizada.

 

RESUMO

33,7 Km Pedalando

2h28min Pedalando

1h56 Parado / Rapel

Dificuldade: Muito Difícil

Elevado risco de Morte

clique no mapa para o track GPS

DNQXX

Link de visita antiga para Pedreira

 

Juliano Bonotto

Morro do Osso – Jungle Experience

Este trajeto estava fermentando faz tempo no meu fértil campo de ideias. Aproveitei o fato de que a bicicleta estava na “revisão” (centramento de rodas), botei em prática a caminhada.

MOJE01

Nunca a poesia de Antonio Machado (poeta espanhol, e não português como eu havia erroneamente informado), fez tanto sentido.

“Caminhante, não há caminho, o caminho se faz ao caminhar.”
Antonio Machado

Esta citação descreve perfeitamente o caminho percorrido, narrado neste artigo.

O trajeto consiste em cruzar o Morro do Osso, porém sem usar as trilhas existentes. Ou seja entrar em uma extremidade do morro e sair do outro lado. Percurso realizado em área de mato, fora das trilhas. Jungle Experience.

moje05
Ponto de entrada

A distância é pequena, o terreno oferece alguma dificuldade para progredir, mas nada que se possa dizer ser intransponível. Não foi necessário o uso de facão para abrir uma trilha, é possível progredir sem maiores dificuldade afastando / desviando os galhos do caminho.

A grande dificuldade fica por conta da orientação. Eu utilizei um GPS, e neste estavam plotados os pontos de entrada e o ponto de saída por mim escolhidos. Outro receio fica por conta da possibilidade de encontrar os famosos “malfeitores” que frequentemente se escuta falar. Os assaltos neste morro são frequentes, porém geralmente ocorrem na trilha principal e no mirante. Uma vez que eu não pretendia passar por estes locais…

Mas e trilha…

Estar envolto pela vegetação, é relaxante. Nos pontos iniciais, não foi possível escutar nada além dos pássaros, meus passos sobre as folhas secas e eventualmente água corrente do córrego que encontrei.

Negociar meu progresso com a vegetação / terreno acidentado, acabou por me colocar próximo ao limite dos fundos das residências que circundam o morro. Neste trecho, era possível escutar a “cidade”. Ruídos de motores e vozes humanas.

Observe que durante este trajeto, alguns espinhos são passiveis de lhe “atacar”. Percorri com as pernas expostas a trilha, de bermuda. Principalmente as canelas, estas ficaram bastante marcadas, arranhadas pelos galhos e espinhos que “encontrei” no caminho.

moje02
Espinhos, sempre presente

Imaginei que o grau de dificuldade deste percurso seria maior. A parte mais difícil, foi a saída. Para alcançar ponto que eu havia escolhido inicialmente para sair, era preciso vencer uma descida íngreme e escorregadia, seguida de uma subida por pedras com limo. Optei por contornar este acidente do terreno, subir o morro e buscar uma saída alternativa, uma rua acima do planejado.

moje03
Alguns dos trechos com a vegetação densa, “mato fechado”

Felizmente o GPS estava com uma precisão de localização com pouca distorção, em função da vegetação, e encontrei uma saída alternativa sem maiores dificuldades. Mas fica o aviso, não tente realizar tal trajeto, principalmente sem o uso de algum dispositivo para orientação.

moje04
Crânio de cachorro

Enfim muito boa atividade para o início do domingo frio. Como é um trajeto rápido, sobrou todo o dia para outras atividades urbanas e familiares…

RESUMO

7,35 km caminhando (1,70 km de trilha)

1h54 Caminhando e paradas (1h17 dentro da trilha)

429 Calorias queimadas

Dificuldade: Moderado

Vídeo completo abaixo

clique no mapa para o track GPS

moje_map

Um dia de folga do mundo – caminhada

***link para o vídeo no final deste post ***

Um dia glorioso, partida se deu cedo pela manhã. Após a auto-decretação do dia como um feriado particular. O destino, a cidade de Nova Petrópolis, na subida da serra do estado do Rio Grande do Sul.

Cheguei sem problemas, após percurso de carro, de pouco menos de 100km.

Me preparei para a trilha dentro do carro. Foi inusitado.

udfdm05
Rio Santa Izabel, um convite para uma aventura.

Iniciei a caminhada em frente a rua coberta, onde ficou estacionado o veículo. O trajeto até a trilha é curto, menos de 1km. É curioso, caminhando em uma via urbana, uma pequena entrada, que em nada indica o início de uma trilha fantástica.

udfdm01a
Iniciando a caminhada em Nova Petrópolis (RS)

O primeiro trecho de “mato” não oferece muita dificuldade, embora existam trechos de vegetação fechada, que o “facão-zinho” que me acompanhou, ajudou abrindo caminho.

udfdm02
Mata “fechada”. Diversos trecho de difícil acesso.

Vencido esta etapa de trilha, um trecho de estrada de chão, até a represa do Rio Santa Izabel. Vale a caminhada até a represa.

Aqui o perigo realmente aumenta. Vale lembrar que eu tracei uma rota a ser seguida durante todo este percurso. Não tente fazer esta trilha sem noções de orientação, mapas da região ou GPS. Observe, existem trechos nesta trilha extremamente perigosos, com evidente risco de morte.

Na beira desta estrada avancei em floresta fechada. Não existe trilha a ser seguida. Utilizei o GPS para orientação. Embora o GPS apresentasse distorções no posicionamento, em decorrência da densidade da vegetação, que causava a perda de sinal.

Tive de abrir caminho à faca. Em busca do rio. O terreno é muito íngreme, solo molhado / “solto”. Pedras rolam ladeira abaixo, quando se tenta pisar nelas, inclusive algumas rolam após passar por elas, as pedras vêm em direção das pernas. E não são pedras pequenas. Em certos trechos, é preciso rastejar, buscando ancoragem em raízes. Muitas vezes, estas raízes se soltam do solo, quando estas recebem o peso do corpo, quando se tenta as utilizar como apoio.

udfdm07
Marcas dos espinhos na panturrilha.

Cheguei no rio, porém havia uma cachoeira de uns 10 metros para descer. Como eu não estava com o equipamento de rapel, tive de voltar para o mato para contornar a cachoeira caminhando. Foi uma escalada cansativa.

udfdm04
Paredões são a moldura do rio

 

udfdm03

Após contornar a cachoeira grande, iniciei o canyonig. Uma caminhada de poucos quilômetros, sobre o leito do rio Santa Izabel. O lugar é fantástico. Paredões de vegetação e pedras. Absolutamente lindo e tranquilo. O barulho da água corrente, pássaros. Inexplicável.

Deixando a beleza de lado, caminhar era preciso. Todo cuidado é pouco ao caminhar em um rio cujo leito é de pedras obviamente molhadas. Recomendo a utilização de capacete para percorrer este trecho. Outro item que recomento utilizar é um bastão / cajado, para ter mais um apoio e fazer a batimetria do fundo, para conhecer a profundidade do próximo passo.

Na emoção do momento, esqueci de proteger o GPS, que estava preso na alça da mochila. Na descida de uma pequena corredeira, achei um buraco de pouco mais de 1 metro de profundidade. Cai nele. O GPS submergiu rapidamente. A estanqueidade não resistiu. Ele veio a falecer imediatamente.

udfdm08
Desmontei o GPS após a trilha.

O rio tem uma profundidade pequena, na média é 30 centímetros, com variações. Acredito que em épocas de chuvas, ou quando abrem a represa, a profundidade fica bem maior. Este é outro perigo, como saber quando o nível do rio vai subir?

Segui caminhado no leito do rio sem a orientação do GPS. Prossegui com a informação que havia na minha memória.

Seguindo um momento contemplativo, encontrei uma cachoeira em um afluente do rio. Outro belo presente que recebi.

udfdm06

Tudo transcorreu sem maiores problemas. Encontrei a saída. Em seguida encontrei algumas poucas pessoas que me indicaram o caminho para retornar para Nova Petrópolis. Uma caminhada subindo a serra. Cansativa.

Enfim foi muito positivo.

Último aviso. Ao percorrer qualquer trilha, você o faz por conta e risco! Atenção com suas escolhas. Atenção!

 

 

RESUMO

26,73 Km Caminhando

6h59 Caminhando

1495 Calorias queimadas

Dificuldade: Muito Difícil

Elevado risco de Morte

Abaixo o link para o vídeo, versão reduzida com 15min de duração

 

Observem também o tipo de calçado que você vai utilizar. Eu usei um tênis de corrida comum. Que obviamente não aguentou a “pressão”. Vou procurar algum calçadista que possa oferecer melhores calçados, mais apropriados para terrenos inóspitos.

udfdm10

udfdm11

 

Juliano Bonotto

Um dia de folga do mundo

Este é a primeira publicação em vídeo do TriTrilhas. Foi um dia fantástico. Onde percorri uma trilha fantástica em Nova Petrópolis – RS. Este dia foi o meu dia de folga do mundo.

O vídeo tem aproximadamente 30 minutos e traduz / resume um grande dia. Uma trilha fantástica.

Logo em seguida vou finalizar o post com detalhes extras.

Clique aqui – Link para o filme

udfdm01